[Acesso Rápido]
 
[Matérias Especiais]
[Principal]






 
>Blog do Patrimônio
>Brindes
>Busca no Site
>Fale Conosco
>Projetos
>Trapiche
>Mapa do Site
MATÉRIAS ESPECIAIS | Bumba-meu-boi: sotaque de zabumba

Já se falou no artigo anterior que, dentro da brincadeira de bumba-meu-boi, embora a história gire sempre em torno das aventuras de Pai Francisco e de sua mulher, Catirina, ela é contada ao som de ritmos variados, também chamados de sotaques.

Naquele artigo, se disse ainda que o sotaque é a alma do boi, sua bandeira, aquilo que mais fortemente o identifica.

Pois bem, com a devida licença pedida a São João, São Pedro e São Marçal, e a todos os demais santos de devoção que apreciam a brincadeira, vamos falar agora sobre o bumba-meu-boi de sotaque de zabumba. E vale avisar logo, que é para depois não haver reclamação: quem tiver o queixo mole é bom procurar um apoio para ele, pois a terra treme quando a toada se levanta na voz do cantador e os instrumentos dos brincantes apanham com vontade.

Quem já esteve no meio de uma apresentação de um boi de zabumba sabe exatamente que a sensação é essa mesma – a terra treme, você treme junto com ela e, mesmo não sendo maneiro de junta, não consegue evitar cair na dança.

Mas também pudera - o som produzido pelas zabumbas é poderoso, grave, envolvente: afinal, são grandes tambores de mais ou menos meio metro de altura, feitos de madeira e cobertos de couro. Tocadas com o auxílio de uma vaqueta, fazem o centro da marcação do ritmo da toada e em torno delas gravitam os maracás, harmonizando-as, enquanto os tamborinhos preenchem suas pausas com uma sucessão de notas agudas.

Como se disse, a terra treme. Sobretudo porque, em meio a essa poderosa algaravia, onde as cadências lentas e as mais apressadas se alternam, anota-se ainda a participação dos tambores-de-onça – cilindros de madeira ou flandres, e cujo som assemelha-se surpreendentemente ao urro desse animal – e dos tambores de fogo, instrumentos bastante primitivos, feitos de troncos de mangues tornados ocos pelo uso do fogo e cobertos de couro cru.

Considerado o mais autêntico e o mais antigo do Maranhão, o bumba-meu-boi de sotaque de zabumba destaca-se ainda pela forma bastante peculiar de ser dançado – na base de passos miúdos, repisados, usando o calcanhar como principal ponto de apoio. Entre os vários grupos de brincantes desse sotaque, às vezes chamado de Guimarães, pois se originou na Baixada Maranhense, destacam-se o Boi da Liberdade, da Fé em Deus e, claro, o de Guimarães.

Agora, segure o queixo, colega, porque a toada vai subir de tom uma vez mais.

Matérias Relacionadas

[O Auto do bumba-meu-boi]
[São Pedro]
[São Marçal]
[Bumba-meu-boi: sotaque de matraca]
[Bumba-meu-boi: sotaque de orquestra]




NOVIDADES DO SITE
 
Novo Blog

Foi lançado o novo blog do Patrimônio. Mais abrangente, com uma nova linha editorial e novo layout. Clique aqui.
 
Trapiche

A loja do site já está no ar - você já pode adqurir fotos e postais exclusivos
.
 
EM BREVE
 
Central de Notícias

Informação em tempo real numa parceria do Patrimônio com o G1, o maior portal de notícias da América Latina.
 
Site do Burunga

Cruel? Maldosa? E daí? A arte do riso é hilária.
 
Canal Curumim

Um canal com conteúdo todo direcionado para crianças - jogos, diversão, histórias, brindes, piadas e muito mais.
 
+ Projetos
Clique aqui

Principal   |   A Cidade   |   Athína   |   Cultura & Folclore   |   Matérias Especiais
Museu de Imagens   |   Sala de Imprensa   |   Agenda   |   Serviço   |   Novidades
Termos & Condições  |   Política de Privacidade  |  Sobre o Patrimônio |  Anuncie Conosco |  Créditos 
Copyright © Eduardo Abrahão - Todos os direitos reservados