[Legados]
[Athína]
[Acesso Rápido]
 
[Arquivo]
[Principal]

 

:: Legados

:: Discurso do Sr. des Vaux

:: Constituição: FR. Equinocial
:: Bartolomeu P. de Lemos
:: Riquezas do Maranhão
:: Disputa Religiosa - 1625
:: Descrição do Maranhão (...)
:: Licenças
:: Sobre Frei Ignácio dos Reys
:: Izabel Faustina, 1756









 
>Blog do Patrimônio
>Brindes
>Busca no Site
>Fale Conosco
>Projetos
>Trapiche
>Mapa do Site











ATHÍNA | Descrição do Maranhão, suas terras e rios

O relato a seguir, feito pelo capitão Simão Estácio da Silveira, integra a sua Relação Sumária das Cousas do Maranhão, publicado em Lisboa em 1624. Sintomaticamente “dirigida aos pobres deste reino de Portugal”, a obra é, antes de tudo, uma peça laudatória ao Estado e tinha como principal objetivo atrair a atenção da Coroa para as terras do Maranhão.

DESCRIÇÃO DO MARANHÃO, SUAS TERRAS E RIOS

O sítio do Maranhão é uma baía que olha para o Norte, e terá como quarenta e duas léguas da ponta do Periá até a ponta do Cumã: dentro de si encerra perto de vinte ilhas e ilhéus. A de São Luís (onde agora estão os portugueses) tem vinte e duas léguas de comprido e sete de largo, e sai desta baía como língua, com a ponta de Arassoaji ao norte; ao longo desta há outras ilhas de cinco, seis, sete e mais e menos léguas, como são a das Goiavas, a do Maçame, a de Santa Ana, a da La Touche (que é península de Gaspar de Sousa, que foi governador daquele Estado), que terá seis léguas, uma que se deu a um cirurgião, que terá quatro léguas, e outra chamada das Pacas, de que Sua Majestade me fez mercê, que será de até duas léguas.

Por detrás destas ilhas deságuam nesta baía cinco rios caudalosos, e todos navegáveis, que são o Monim, o Itapicuru, pelo qual, acima vinte léguas, temos uma fortaleza com quarenta soldados e alguns moradores, e uma aldeia ou duas com a gente de bento Maciel; o Mearim, que vem por formosíssimas campinas de massapê, onde andam muitos bandos de emas; o Pindaré, que dizem nasce muito perto do Peru, e o Maracu, que se deriva por muitos e mui espaçosos lagos. Em todos e cada um destes rios se pode fundar um reino opulentíssimo, porque têm boníssimas águas, muitos pescados, muito excelentes terras, muitas madeiras, muitas frutas, muitas caças.

Afora estes, há outros muitos rios menores, e ribeiras, que também deságuam nesta baía; e na entrada do Maracu, há umas salinas grandes, fabricadas pela natureza, onde, em uns lagos que secam quando as águas andam baixas, coalha muito sla, que ainda que não é tão alvo, é bom, e bastante para o uso comum.




Matéria Relacionada

[Primeiras notícias das riquezas do Maranhão]



















NOVIDADES DO SITE
 
Novo Blog

Foi lançado o novo blog do Patrimônio. Mais abrangente, com uma nova linha editorial e novo layout. Clique aqui.
 
Trapiche

A loja do site já está no ar - você já pode adqurir fotos e postais exclusivos
.
 
EM BREVE
 
Central de Notícias

Informação em tempo real numa parceria do Patrimônio com o G1, o maior portal de notícias da América Latina.
 
Site do Burunga

Cruel? Maldosa? E daí? A arte do riso é hilária.
 
Canal Curumim

Um canal com conteúdo todo direcionado para crianças - jogos, diversão, histórias, brindes, piadas e muito mais.
 
+ Projetos
Clique aqui

Principal   |   A Cidade   |   Athína   |   Cultura & Folclore   |   Matérias Especiais
Museu de Imagens   |   Sala de Imprensa   |   Agenda   |   Serviço   |   Novidades
Termos & Condições  |   Política de Privacidade  |  Sobre o Patrimônio |  Anuncie Conosco |  Créditos 
Copyright © Eduardo Abrahão - Todos os direitos reservados