[Sobre Ecos do Passado]
[A Cidade]
[Acesso Rápido]
 
[Arquivo]
[Principal]

:: Flash 01
:: Flash 02
:: Flash 03
:: Flash 04
:: Flash 05
:: Flash 06
:: Flash 07








 
>Blog do Patrimônio
>Brindes
>Busca no Site
>Fale Conosco
>Projetos
>Trapiche
>Mapa do Site
A CIDADE    |    D. Pedro I - Nota biográfica

Enquanto a Europa vivia dramáticas transformações, com a ascensão do liberalismo e o início da Revolução Industrial, o príncipe D. Pedro, herdeiro da coroa portuguesa, desafiou a corte de Lisboa ao proclamar a Independência do Brasil e tornar-se seu primeiro monarca.

Pedro de Alcântara Francisco Antônio João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon nasceu em 12 de outubro de 1789 na sala D. Quixote do Palácio de Queluz, próximo a Lisboa. Era filho do futuro rei de Portugal, D. João VI, então príncipe regente, e da infanta Carlota Joaquina, filha de Carlos IV de Espanha.

Seus primeiros mestres foram o Dr. José Monteiro da Rocha, ex-jesuíta, e frei Antonio de Nossa Senhora da Salete. Depois da mudança da família real para o Brasil, em 1807, frei Antônio de Arrábida tornou-se seu principal preceptor. O príncipe, entretanto, jamais se prendeu aos estudos e preferia a vida solta no Paço de São Cristóvão e na fazenda de Santa Cruz. Em março de 1816, com a elevação de seu pai a Rei de Portugal, recebeu o título de príncipe real e herdeiro do trono (o irmão mais velho, Antônio, falecera em 1801). No mesmo ano casou-se com Carolina Josefa Leopoldina, arquiduquesa da Áustria. Ao irromper a Revolução Constitucionalista de 1820, no Porto, identificou-se abertamente com a causa liberal. Após a volta do Rei a Portugal, em abril de 1821, D. Pedro foi nomeado regente do Reino do Brasil. No ano seguinte, foi pressionado pelas Cortes de Lisboa a também regressar, mas resistiu. Em 9 de janeiro de 1822 pronunciou a frase histórica: "Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto, diga ao povo que fico!" Em abril, a popularidade do príncipe foi comprovada durante uma viagem a Minas Gerais. De lá, seguiu para São Paulo, a fim de pacificar rebeliões na província. Em 7 de setembro, quando ia de Santos para a capital paulista, recebeu notícias de Portugal por cartas da esposa e de seu ministro José Bonifácio. Assim, tomou conhecimento de que fora rebaixado da condição de regente a mero delegado das Cortes de Lisboa. Ali mesmo, junto ao riacho do Ipiranga, o herdeiro de D. João VI proferiu o grito de "Independência ou Morte" e rompeu os últimos vínculos entre Brasil e Portugal.

De volta ao Rio de Janeiro, em 12 de outubro foi proclamado Imperador e Defensor Perpétuo do Brasil. Em 1 de dezembro foi sagrado e coroado. Sua intervenção na vida política tornou-se ostensiva com a dissolução da Assembléia Constituinte e a demissão de José Bonifácio e seus irmãos. Foi criado então um Conselho de Estado que, com o Imperador à frente, elaborou a Constituição outorgada em 24 de fevereiro de 1824.

Um dos pontos mais importantes da Carta era a instituição do poder moderador, que fortalecia ainda mais o monarca. Em 1826 foram instalados a Câmara e o Senado, este de caráter vitalício. O equilíbrio político, no entanto, permanecia instável, face a dificuldades financeiras e divergências entre nativistas e marinheiros ou marotos (portugueses residentes no Brasil). No mesmo ano, o jovem Imperador se viu diante de mais um impasse com a morte de D. João VI. Herdeiro do trono português, D. Pedro I decidiu contrariar as restrições da Constituição Brasileira, que ele próprio aprovara, e assumir o poder em Lisboa como Pedro IV, 27º Rei de Portugal. Forçado a abdicar em favor de sua filha primogênita, Maria da Glória, de sete anos, nomeou regente seu irmão, D. Miguel. A indecisão entre Brasil e Portugal contribuiu para minar a popularidade e o prestígio de D. Pedro I. Ao mesmo tempo, no plano interno fracassavam as forças brasileiras na Guerra Cisplatina (1825-1827). O Imperador chegou a ir ao Rio Grande do Sul, a fim de participar pessoalmente da campanha, no final de 1826. A notícia da morte da Imperatriz Leopoldina obrigou-o a mudar os planos e retornar ao Rio de Janeiro. Além do malogro militar e dos constantes atritos com a Assembléia, a vida privada do Imperador também contribuia para o desgaste de sua imagem. Era notório seu relacionamento com Domitila de Castro Canto e Melo, a quem fez Viscondessa e depois Marquesa de Santos. O romance teve início em 1822 e durou até o segundo casamento de D. Pedro I, em 1829, com Amélia de Beauharnais, Duquesa de Leuchtenberg. O Marquês de Barbacena, encarregado de encontrar uma noiva para o Imperador que atendesse às exigências de nobreza, formosura, virtude e educação, enfrentara humilhantes recusas por parte de várias casas reais européias. O constante declínio de seu prestígio e a crise provocada pela dissolução do Gabinete levou o Imperador a abdicar em favor do filho Pedro, em 7 de abril de 1831, e a retornar à Europa. Com o título de Duque de Bragança, D. Pedro assumiu a liderança da luta para restituir à filha Maria da Glória o trono português, usurpado por D. Miguel. Em 1832, nos Açores, criou uma força expedicionária para invadir Portugal e iniciou uma campanha que só obteve a vitória ao fim de três anos. Apesar de ter reconquistado o trono português para sua filha, Dom Pedro voltou tuberculoso da campanha e morreu em 24 de setembro de 1834 no Palácio de Queluz, na mesma sala onde nascera 36 anos antes. Foi sepultado no panteão de São Vicente de Fora como simples general, e não como rei. Seu coração, legado ao Porto, é ali conservado, como relíquia, na capela-mor da igreja da Lapa.

in Nomismatike, de Emerson Luiz de Freitas.
 
Iconografia





NOVIDADES DO SITE
 
Novo Blog

Foi lançado o novo blog do Patrimônio. Mais abrangente, com uma nova linha editorial e novo layout. Clique aqui.
 
Trapiche

A loja do site já está no ar - você já pode adqurir fotos e postais exclusivos
.
 
EM BREVE
 
Central de Notícias

Informação em tempo real numa parceria do Patrimônio com o G1, o maior portal de notícias da América Latina.
 
Site do Burunga

Cruel? Maldosa? E daí? A arte do riso é hilária.
 
Canal Curumim

Um canal com conteúdo todo direcionado para crianças - jogos, diversão, histórias, brindes, piadas e muito mais.
 
+ Projetos
Clique aqui

Principal   |   A Cidade   |   Athína   |   Cultura & Folclore   |   Matérias Especiais
Museu de Imagens   |   Sala de Imprensa   |   Agenda   |   Serviço   |   Novidades
Termos & Condições  |   Política de Privacidade  |  Sobre o Patrimônio |  Anuncie Conosco |  Créditos 
Copyright © Eduardo Abrahão - Todos os direitos reservados