[Acesso Rápido]
 
[Matérias Especiais]
[Principal]






 
>Blog do Patrimônio
>Brindes
>Busca no Site
>Fale Conosco
>Projetos
>Trapiche
>Mapa do Site
MATÉRIAS ESPECIAIS | Bumba-meu-boi: sotaque de matraca

Com a aproximação das festas juninas, São Luís começa a viver uma época mágica, que assinala o final da estação das chuvas e o começo dos dias ininterruptos de sol, de céu azul profundo e noites estreladas.

Maio é assim como um pré-carnaval para os batalhões de bumba-meu-boi: mês de muito ensaio, de preparação das fantasias, de divulgação das toadas e do aquecimento dos padeirões, matracas e zabumbas.

Na série de artigos que inicia agora, o Patrimônio irá apresentar os mais diferentes aspectos e as muitas peculiaridades que envolvem essa que é a mais popular das manifestações folclóricas do Maranhão.

E para começo de conversa, vale logo um esclarecimento: dentro da brincadeira do bumba-meu-boi, embora a história de Pai Francisco e de sua mulher, Catirina, seja uma só, ela é contada ao som de diferentes ritmos, ou sotaques.

O sotaque de um boi é, a bem dizer, a sua alma – e esta alma pode ser declarada de zabumba, orquestra, matraca ou costa-de-mão. Inicialmente, vamos no ater apenas ao sotaque de matraca, que é o mais popular em São Luís.

Nesse sotaque, os batalhões realçam as matracas dentre o conjunto de instrumentos utilizados na percussão – e por matracas entenda-se dois pedaços de madeira bastante rústicos que são freneticamente batidos um contra o outro, obedecendo a um ritmo bastante peculiar, repinicado, que produz uma levada simplesmente contagiante.

Secundado o troar das matracadas e adensando o som que envolve os brincantes e se espraia num poderoso staccato, temos ainda maracás, tambores-onça e pandeiros. Cada um desses instrumentos merece ao menos uma nota.

Os pandeiros, por exemplo: são construídos a partir de uma grande circunferência de madeira fina, de mais ou menos quatro dedos de altura, e cobertos com couro de bode ou cabra. Curiosa mesmo é a maneira utilizada para afiná-los: seus tocadores, a cada arraial onde o batalhão se apresenta, fazem fogueiras e colocam esses instrumentos para pegar um calor e amaciar o couro – então, começam a bater neles até que o som obtido seja considerado ideal.

Já os maracás, que são feitos de flandres e contêm em seu interior oco um punhado de grãos de chumbo ou qualquer outro material parecido, podem ser dos mais variados tamanhos, mas se constituem em instrumentos de caráter reservado, especial: só podem ser sacudidos pelos brincantes do boi que fizerem os papéis dos vaqueiros e dos rapazes, ou então pelo próprio amo.

Nesse sentido, mais democrático é o tambor-onça – um cilindro de flandres ou madeira com uma das extremidades cobertas de couro -, visto que qualquer um pode tocá-lo. E quando se diz tocá-lo, está se dizendo deslizar para cima e para baixo um bastão fixado, pela parte de dentro, à extremidade coberta pelo couro, e em produzir um som alto, simplesmente aterrador e em tudo semelhante ao urro de uma onça.

Em tempo: para quem estranhou o termo batalhão, é bom se acostumar com a idéia de que é assim mesmo que se designa um grupo de brincantes do bumba-meu-boi. E mais: os batalhões podem ser leves ou pesados, dependendo do número de seus integrantes e da força instrumental de suas toadas.

No Maranhão, os mais famosos bois de matraca estão em São Luís: Madre Deus, Maracanã e os batalhões pesados da Maioba e de São José de Ribamar.

Continua no próximo artigo com os bois de zabumbas.



Matérias Relacionadas

[O Auto do bumba-meu-boi]




NOVIDADES DO SITE
 
Novo Blog

Foi lançado o novo blog do Patrimônio. Mais abrangente, com uma nova linha editorial e novo layout. Clique aqui.
 
Trapiche

A loja do site já está no ar - você já pode adqurir fotos e postais exclusivos
.
 
EM BREVE
 
Central de Notícias

Informação em tempo real numa parceria do Patrimônio com o G1, o maior portal de notícias da América Latina.
 
Site do Burunga

Cruel? Maldosa? E daí? A arte do riso é hilária.
 
Canal Curumim

Um canal com conteúdo todo direcionado para crianças - jogos, diversão, histórias, brindes, piadas e muito mais.
 
+ Projetos
Clique aqui

Principal   |   A Cidade   |   Athína   |   Cultura & Folclore   |   Matérias Especiais
Museu de Imagens   |   Sala de Imprensa   |   Agenda   |   Serviço   |   Novidades
Termos & Condições  |   Política de Privacidade  |  Sobre o Patrimônio |  Anuncie Conosco |  Créditos 
Copyright © Eduardo Abrahão - Todos os direitos reservados